“Depois de destruir 27 casas, Flávio Dino agora anula decreto por ser ilegal”, diz Wellington do Curso ao defender a população do Cajueiro

Na manhã desta terça-feira (17), o deputado estadual Wellington do Curso se pronunciou sobre a decisão do governador Flávio Dino de anular o decreto que viabilizou a desapropriação e realização de obras na comunidade tradicional Cajueiro, zona rural de São Luís, em favor da empresa TUP (Terminal de Uso Privado) Porto São Luís. Tal medida já havia sido solicitada pelo deputado Wellington, mas antes do governador ter autorizado a destruição das casas de 27 famílias que moravam no local.

Para Wellington, a decisão de Flávio Dino só mostra a incompetência do governador que, somente agora, após ter destruído as casas das pessoas, decide anular algo que todos haviam mostrado ser inconstitucional.

“Depois de destruir 27 casas, Flávio Dino anula decreto por ser ilegal, mas fica a pergunta: por que só agora? Na época, apontamos a ilegalidade, encaminhamos indicação ao governador mostrando a ilegalidade e pedindo a anulação. Fizemos isso antes dele destruir as casas das pessoas. No entanto, ele preferiu beneficiar os empresários, o Porto que foi doador na campanha dele em 2014, preferiu vender o Cajueiro e deixar que 27 famílias fossem massacradas. Somente agora, com intuito midiático, decide anular um decreto que já nem teria mais tanto efeito assim, afinal, o pior já foi feito. Agora, estaremos acompanhando para que essas famílias sejam, ao menos, indenizadas em virtude de tamanha irresponsabilidade”, disse Wellington.

Comentários